CampoDestaque

MST – ES respondeu aos ataques insanos de Magno Malta

Em resposta aos ataques do pagodeiro gospel e senador da República em fim de mandato, o MST rebate as acusações espúrias de Magno Malta.
Rejeitado pelo atual presidente, foi cotafo para assumir um ministério, a Magno só resta a pregação do evangelho e shows gospel com meio de obter renda.
O capixaba não o reelegeu, e ainda o deixou sem o espaço na política nacional.
O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra no Espírito Santo (MST-ES), que nesta terça-feira (22) completou 35 anos, não invade e sim ocupa propriedades que não cumprem a sua função social e são improdutivas.

Várias famílias estão produzindo galinhas para corte e para produção de ovos caipiras.

Produção de frangos que são  alimentados com milho orgânico

A afirmativa é de Rodrigo Gonçalves, da direção estadual do MST, que rechaçou falas do senador Magno Malta (PR), em final de mandato, gravada em vídeo nas redes sociais, no qual ele tacha o movimento de “terrorista e de vagabundo”, ao comentar o decreto que facilita a posse de arma de fogo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).
Os trabalhadores e trabalhadoras do MST estão trabalhando para tornarem terras improdutivas ou que são usadas na monocultura do Eucalipto para as  tornarem terras produtivas.
As famílias produzem alimentos saudáveis, e sem o uso de agrotóxicos.

Produção orgânica Acampamento Paulo Damião – Linhares


“O MST sempre lutou pela terra seguindo a Constituição, ocupando latifúndios improdutivos, que não geram empregos, não respeitam o meio ambiente nem a biodiversidade e ainda destroem a natureza”, explica Rodrigo, que se mostra contrário ao decreto presidencial.

Na organização MST não existem terroristas, existem trabalhadoras e trabalhadores lutam para sustetarem suas famílias e que sonham pelo seu pedaço de terra e por uma moradia digna e que tenha qualidade de vida.

O lema é ” reforma agrária já”.

Vídeo com calúnias e difamações 

Divulgado no dia 18 deste mês, no vídeo o senador Magno Malta conclama o “cidadão brasileiro” a se armar para enfrentar os “terroristas do MST”, a quem tachou de “vagabundos”. A gravação circulou depois do decreto da Presidência da República, motivo de polêmica em todo o País.

No Espírito Santo, são mais de três mil famílias assentadas em 63 comunidades e, segundo o censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), existem 60 mil famílias que se declaram como sem terras no Estado, informa o dirigente o movimento.

Além disso, atualmente, “mais de mil famílias sobrevivem em 14 acampamentos, há mais de 10 anos, erguidos às margens de rodovias federais, debaixo da lona, de norte a sul do Estado”.

35 anos de luta e conquistas do MST

Para Rodrigo, a luta é em defesa de uma sociedade mais justa e igualitária, e pela reforma agrária popular. “Nesses 35 anos, houve muitas lutas e conquistas em todo Brasil. Já conquistamos mais de 10 mil assentamentos com mais de 300 mil famílias assentadas”. E completa: c”ada uma dessas famílias gera 10 empregos diretos e indiretos. No entanto, os interesses dos governantes são outros e não entra a reforma agrária. Por isso, ainda existem milhões de famílias sem terra, acampados debaixo de lonas”, lamenta Rodrigo.

Ele se alegra quando informa sobre o resultado do trabalho do MST. “Somos o maior produtor de arroz orgânico da América Latina, representamos 10% do PIB [Produto Interno Bruto] do Brasil, com pouquíssimos recursos dos governos”.

No Espirito Santo, segundo ele, o movimento está avançando na agro-industrialização do café conilon, pimenta do reino, mel, e também na comercialização de produtos agroecológico nas feiras de alimentos saudáveis.

Rodrigo informa que o MST está construindo acampamentos produtivos com foco nos sistemas agroflorestais e na produção de alimentos agroecológico produzido pelas famílias acampadas e assentados no Estado e critica a política agrícola vigente no País.

“Somos contra o modelo chamado agronegócio, porque destrói a biodiversidade, com a monocultura e o uso de agrotóxicos, envenenando o solo, as águas, e provocando os desmatamento da mata atlântica. Para o MST, é possível produzir sem destruir as matas e as biodiversidades, respeitando os ecossistemas.

Sobre a posse e o porte de arma, que tocam diretamente o movimento, considerando as várias ocorrências de fatos violentos no País, Rodrigo se mostra totalmente contrário: “No nosso entendimento, se queremos construir uma sociedade melhor, não é com arma de fogo, e sim com livro e caneta. Somente com a educação construiremos um país mais justo”.

Por Adeilson Francisco
* Com informações do Século Diário

Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios